Palestra

Uso de jogos computacionais para aprendizagem social na gestão dos recursos naturais: as lições do jogo Ter’Aguas para gestão dos mananciais da Região Metropolitana de São Paulo

Palestrante: Profa. Dra. Raphaèle Ducrot

Resumo: Na gestão dos recursos naturais uma atenção crescente vem sido dada a modelos de simulação integrando dinâmicas biofísicas e sociais como plataforma de aprendizagem social e/ou de suporte à negociação entre atores múltiplos. Nessa perspectiva, se destacam em particular jogos de papeis computacionais. Uma abordagem desse tipo foi testada das áreas de mananciais da região metropolitana de São Paulo com objetivo de reforçar as capacidades de negociação dos atores locais: um jogo de papeis computadorizado Ter’Aguas baseada na plataforma multi-agente Cormas foi desenvolvido a partir de uma metodologia de modelagem participativa, chamado de modelagem de acompanhamento para explorar as interações entre cinco grande tipos de atores da gestão da água, da poluição e dos fundiários na periferia de São Paulo. Esta palestra analisa a relação entre a estratégia e a escolha da modelagem, e o desempenho como plataforma de aprendizagem social desse tipo de modelo de simulação, a partir de uma análise da fase de elaboração do modelo computacional, do monitoramento das sessões de jogos e do retorno dos jogadores no momento do jogo e em longo prazo. Essa analise ressalta a importância do balanço entre simplificação da complexidade, adequação com as representações dos atores, transparência e flexibilidade. Transcendendo o discurso tradicional que foca sobre a potencialidade desse tipo de ferramenta, essa analise permite identificar os seus limites e valor agregada como modelo de simulação e como ferramenta parte de um dispositivo participativo complexo.